sexta-feira, 27 de junho de 2014

Dia de oração pela santificação do clero

video

MENSAGEM PARA O DIA DE ORAÇÃO PELA SANTIFICAÇÃO DOS SACERDOTES

Palmas - TO, 10 de junho de 2014
MOVC Nº: 0502/14

Caríssimos irmãos sacerdotes,
Tenho Sede!

Todo ano, a Igreja promove a Jornada Mundial de Oração pela Santificação dos Sacerdotes, por ocasião da festa do Sagrado Coração de Jesus que, neste ano, será no dia 27 de junho. Neste dia, ela convida todo o povo de Deus de nossas comunidades eclesiais, bem como as pessoas de boa vontade, para rezarem pelos seus sacerdotes para que, fiéis aos compromissos assumidos no dia da ordenação presbiteral, tenhamos uma vida íntegra e santa, de íntima e profunda comunhão com Jesus. Pois somente assim poderemos amar verdadeiramente o rebanho do Senhor que nos foi confiado.
A santidade, além de ser um projeto pessoal de vida, deve ser também um projeto pastoral. São João Paulo II, no ano 2000, assim se expressou: “em primeiro lugar, não hesito em dizer que o horizonte para onde deve tender todo o caminho pastoral é a santidade” (NMI 30). E o apóstolo Paulo: “A vontade de Deus é que sejais santos” (1 Ts 4,3). Tudo na vida e na missão de um sacerdote deve ter a marca da santidade. Sem santidade, estamos sem horizonte, não somos nada, não valemos nada e não fazemos nada de bom.
No Cenáculo, durante a Última Ceia, ao instituir a Eucaristia, o mandamento do amor fraterno e o sacerdócio ministerial, Jesus, o Santo e a fonte de toda santidade, revelou aos seus discípulos um dos seus desejos mais profundos: “Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanece na videira, assim também vós não podereis dar fruto se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira, e vós, os ramos” (cf. Jo 15,4-5). Permanecer em Jesus é a alegria verdadeira de nossa vida. Sem Ele, tudo em nossa vida emudece e perde sentido. Pois, foi Ele mesmo quem disse: “Sem mim, nada podeis fazer” (Jo 15,5). Decorrem desta íntima união com Jesus Cristo a conversão pessoal e pastoral, a solicitude pastoral pelos pobres e sofredores e o ardor missionário. Em outras palavras, a santidade.
Hoje, mais do que em tempos passados, o sacerdote deve ser o homem de Deus. Aquele que não se mantiver firme na fé, alegre na esperança, perseverante na oração e firme nas tribulações (cf. Rm 12,12), terá vida breve e estéril.Na realidade atual, perdemos muito daqueles papéis sociais de destaque que, em tempo de cristandade, os nossos antepassados tinham. Além do mais, com o advento dos potentes meios de comunicação, as nossas fragilidades e feridas aparecem com maior clareza, exigindo de nós mais coerência de vida e testemunho de santidade. Precisamos sempre ser pastores identificados com Jesus e com sua Igreja, pobre e para os pobres. Precisamos ser sacerdotes
2
acolhedores, solidários, fraternos com os irmãos, encantados e apaixonados pela missão. Enfim, precisamos de sacerdotes santos. Sem a lógica da santidade, o ministério sacerdotal vale muito pouco e não passa de uma simples função social.
Neste sentido, é mister recordar o que o papa Bento XVI disse certa vez: "existem algumas condições para que haja uma crescente harmonia com Cristo na vida do sacerdote: o desejo de colaborar com Jesus para propagar o Reino de Deus, a gratuidade no serviço pastoral e a atitude de servir".O encontro com Jesus deixa o sacerdote fascinado, encantado e apaixonado por sua pessoa, suas palavras e seus gestos. É como ser atingido pela irradiação de bondade e de amor que emanam d’Ele, a ponto de querer ficar com Ele como os dois discípulos de Emaús. Cada sacerdote deveria diariamente pedir a Jesus: “Fica conosco, pois já é tarde e à noite vem chegando” (Lc 24,29). Quem se encanta por Jesus, entra em sintonia e em amizade íntima com Ele, e tudo passa a ser feito como agrada a Deus. Ser sacerdote não é mérito nosso. É um dom a ser vivido na companhia de Jesus com gratidão e generosidade.
Eacrescenta o papa Bento XVI: "o convite do Senhor para o ministério ordenado não é fruto de mérito especial, mas é um dom a ser acolhido a que se corresponde dedicando-se não apenas a um projeto individual, mas ao de Deus, totalmente generoso e desinteressado. Nunca nos devemos esquecer, como sacerdotes, que a única subida legítima rumo ao ministério do pastor não é aquela do sucesso, mas a da cruz”.
Cai bem aqui o que disse o papa Francisco: “Conscientes de terem sido escolhidos entre os homens e constituídos em seu favor para esperar nas coisas de Deus, exercitem com alegria e com caridade sincera a obra sacerdotal de Cristo, unicamente com a intenção de agradar a Deus e não a si mesmos. Sejam pastores, não funcionários. Sejam mediadores, não intermediários”.
O coração do sacerdote é um coração sempre aberto para amar, acolher, celebrar e agradecer. Permitam-me, amados de Deus, concluir esta mensagem reportando, mais uma vez, ao que disse recentemente o papa Francisco sobre a necessidade de amar e santificar a nossa vocação sacerdotal. Diz ele: “Os sacerdotes, mais do que estudiosos, são pastores. Não podem nunca se esquecer de Cristo, seu primeiro amor, e devem permanecer sempre do seu lado.Como está hoje o meu primeiro amor? Estou enamorado como no primeiro dia? Estou feliz contigo ou te ignoro? São perguntas que temos que fazer com frequência diante de Jesus. Porque Ele pergunta isso todos os dias, como perguntou a Pedro: Simão, filho de João, tu me amas? Continuo enamorado de Jesus como no primeiro dia ou o trabalho e as preocupações me fazem olhar para outras coisas e esquecer um pouco o amor”?
Caríssimos, tenhamos sempre diante dos nossos olhos o exemplo e Jesus, o Bom Pastor, que não veio para ser servido, mas para servir e para procurar a ovelha, a moeda e filho perdidos e salvá-los (cf. Lc 15,4ss). Prometo, no dia do Sagrado Coração de Jesus, rezar de modo especial por todos vocês, sacerdotes do Senhor, a fim de que a vida e o ministério de vocês sejam vividos na alegria do Evangelho que nos liberta do pecado, da tristeza, do vazio interior e do isolamento. Peço também que todos os cristãos católicos façam momentos de oração, de adoração e súplica, pessoalmente ou reunidos em comunidade, implorando a Deus pela santificação dos nossos sacerdotes, tesouro precioso saído do Coração de Jesus. Que Maria, mãe dos sacerdotes, nos ajude a ter um coração manso e humilde como o Coração do seu Filho.
E todos, em uníssono, num só coração e numa só alma, possamos dizer: Sagrado Coração de Jesus, nós temos confiança em vós!Amém!
Dom Pedro Brito Guimarães
Arcebispo de Palmas
Presidente da Comissão para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada

quinta-feira, 26 de junho de 2014

ADORAÇÃO AO SS. SACRAMENTO PELA SANTIFICAÇÃO DOS SACERDOTES

Caros amigos, amanhã, solenidade do Sagrado Coração de Jesus, a Igreja nos convida a rezar pela santificação do clero, segue então uma proposta de uma hora santa que se poderá fazer nesta intenção, nos unamos em oração!
Autoria: Pe. Valdecir Ferreira e
Ir. Maria Dolores da Silva, ASCJ

1. ABERTURA
Animador: Jesus, eis-nos prostrados aos teus pés; vimos passar contigo esta hora de amor, de intimidade. Adoramos-Te, ó Jesus, e unimo-nos a todos os que neste dia dobram os joelhos em prece pela santificação dos sacerdotes. Dá forças e coragem a estes teus servos, ó Jesus!
Canto Exposição do Santíssimo: A ti, meu Deus. 1. A ti, meu Deus, elevo o meu coração, Elevo as minhas mãos, meu olhar, minha voz. A ti, meu Deus, eu quero oferecer, Meus passos e meu viver, Meus caminhos, meu sofrer. A tua ternura, Senhor, vem me abraçar. E a tua bondade infinita me perdoar. Vou ser o teu seguidor e te dar o meu coração. Eu quero sentir o calor das tuas mãos. 2. A ti, meu Deus, que és bom e que tens amor, Ao pobre e ao sofredor, vou servir e esperar. Em ti, Senhor, humildes se alegrarão, Cantando a nova canção de esperança e de paz.
Animador: Graças e louvores se deem a todo o momento,
Todos: Ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento. (3vezes)
Dirigente: Jesus, em tua imensa misericórdia, dá-nos, mais uma vez, a oportunidade de estarmos unidos intimamente a Ti, que nos dizes: “Pedi e recebereis! Procurai e achareis! Batei e a porta ser-vos-á aberta!” (Mt 7,7). Confiantes nessa afirmação, expressemos nossas intenções.
(Lembrar nomes do(s) sacerdote(s) que atende(m) a comunidade atualmente, como de outros que fizeram parte da história deste povo, e outras intenções)

2. MOMENTO DE ADORAÇÃO E SILÊNCIO
Canto: Não sei se descobriste
2
1. Não sei se descobriste a encantadora luz
no olhar da mãe feliz que embala o novo ser.
Nos braços leva alguém, em forma de outro eu;
vivendo agora em dois se sente renascer.
A mãe será capaz de se esquecer,
ou deixar de amar algum dos filhos que gerou?
E se existir, acaso, tal mulher,
Deus se lembrará de nós em seu amor.
2. O amor de mãe recorda o amor de nosso Deus;
tomou seu povo ao colo; quis nos atrair.
Até a ingratidão inflama o seu amor:
um Deus apaixonado busca a mim e a ti.

3. MOMENTO DA PALAVRA: “IDE E PREGAI O EVANGELHO A TODA CRIATURA”
Animador: Senhor Jesus Cristo, Luz do mundo que ilumina a todos os homens, Vós sois a Palavra do Pai. Assumistes a natureza humana para nos falar com palavras humanas. Instituístes o santo sacerdócio e chamais constantemente homens generosos, que apesar de suas fragilidades, assumem participar do vosso poder divino. Por meio deles quereis revelar-nos o Pai e convidar-nos à felicidade eterna convosco no céu. Dai aos vossos sacerdotes um coração disposto a escutar, inspirai-os e iluminai-os, para que se encham da vossa sabedoria e do vosso amor para comunicá-los aos irmãos. Amém.
Proclamação do Evangelho: Mt 11, 25-30
“Naquele tempo, Jesus pronunciou estas palavras: Eu te bendigo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequenos. Sim, Pai, eu te bendigo, porque assim foi do teu agrado. Todas as coisas me foram dadas por meu Pai; ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho quiser revelá-lo. Vinde a mim, vós todos que estais aflitos a carregar pesado fardo, e eu vos aliviarei. Tomai meu jugo sobre vós e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e achareis o repouso para as vossas almas. Porque meu jugo é suave e meu peso é leve”. – Palavra da Salvação.

4. REFLEXÃO
L3: O Pai revela aos pequenos seu Reino de amor. Jesus louva o Pai porque revelara as coisas do Reino aos pequenos, aos humildes, isto é, aos que põem n’Ele sua confiança. Irmãos, se quisermos conhecer mais a Deus e estreitar os laços de amor e amizade com Ele, precisamos ser mansos e humildes.
L4: O papa emérito, Bento XVI, disse que, se nos aproximamos de Deus “com humilde confiança, encontramos no seu olhar a resposta ao anseio mais profundo do nosso coração. É preciso ter ”um coração humilde e confiante que nos faz retornar à condição de crianças (Mt 18,3), porque é aos pequeninos que o Pai se revela”.
Todos: Jesus convida a buscar n’Ele alívio, todos aqueles que estão aflitos, sob o pesado fardo. Muitos são os aflitos nos dias de hoje. Há muitas vidas ceifadas pelo trânsito, pelas drogas e por causa da violência. Há
3
muitas famílias com relacionamentos conflituosos e se separando. Há muitas crianças sofridas. Há muitos jovens desempregados. Há também idosos sem assistência adequada. E há tantos deficientes precisando de ajuda. Precisamos descansar no Senhor. Pedir alívio a Ele. São tantos os fardos! Tantas aflições!
L4: Mas, nem tudo está perdido: há esperança para todos. Jesus nos diz: “Vinde a mim, vós todos que estais aflitos sob o fardo, e eu vos aliviarei”. Por isso, continua suscitando no coração dos jovens o chamado à vocação sacerdotal, enviados a serem sua presença no auxilio aos mais necessitados, aliviando e curando suas chagas. Com alegria e confiança, estamos em prece, na presença do Senhor vivo e verdadeiro, no Tabernáculo. Adoremos o seu Divino Coração Eucarístico, que nos amou a ponto de se entregar por nós em sacrifício e oferenda ao Pai. Ele é a imagem e o símbolo do infinito Amor de Deus pelos homens.
Canto: Cristo, quero ser instrumento.
1. Cristo, quero ser instrumento de tua paz e do teu infinito amor.
Onde houver ódio e rancor, que eu leve a concórdia, que eu leve o amor!
Ref.: Onde há ofensa que dói, que eu leve o perdão;
Onde houver a discórdia, que eu leve a união e tua paz!
2. Mesmo que haja um só coração, que duvide do bem, do amor e da fé;
Quero com firmeza anunciar a Palavra que traz a clareza da fé!
3. Onde houver erro, Senhor, que eu leve a verdade, fruto de tua luz!
Onde encontrar desespero, que eu leve a esperança do teu nome, Jesus!
4. Onde eu encontrar um irmão a chorar de tristeza, sem ter voz e nem vez;
Quero bem no seu coração semear alegria, pra florir gratidão!
5. Mestre, que eu saiba amar, compreender, consolar e dar sem receber.
Quero sempre mais perdoar, trabalhar na conquista e vitória da paz!

6. LOUVOR A DEUS PELOS MINISTROS ORDENADOS
L1: Eu vos louvo, ó Deus, pelos ministros ordenados, porque eles carregam em si o Cristo de um modo inefável: carregam sua bondade e sua clemência.
R: Sagrado Coração, ajudai os sacerdotes!
L2: Eu vos louvo, ó Deus, pelos ministros ordenados, porque eles são pontes que nos ajudam a atravessar o abismo dos nossos pecados e alcançar a pátria tão esperada da tua infinita misericórdia.
R: Sagrado Coração, ajudai os sacerdotes!
L1: Eu vos louvo, ó Deus, pelos ministros ordenados, porque eles são um Cireneu não obrigado, mas que espontaneamente ajudam o Senhor a carregar a cruz!
R: Sagrado Coração, ajudai os sacerdotes!
L2: Eu vos louvo, ó Deus, pelos ministros ordenados, porque são instrumentos da misericórdia infinita de Deus humanado, e, com Ele, são pastores, bons samaritanos, cordeiros, vítimas constantemente imoladas!
R: Sagrado Coração, ajudai os sacerdotes!
L1: Eu vos louvo, ó Deus, pelos ministros ordenados, porque são qual outro João Batista, cada dia de novo, mostrando-nos o “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”.
R: Sagrado Coração, ajudai os sacerdotes!
L2: Eu vos louvo, ó Deus, pelos ministros ordenados, ministros do vosso perdão, o único perdão que salva.
R: Sagrado Coração, ajudai os sacerdotes!
L1: Eu vos louvo, ó Deus, pelos ministros ordenados, porque, como em Jesus na cruz, em seus corações ecoa o brado ardente de zelo pelas almas: “Tenho sede!”
R: Sagrado Coração, ajudai os sacerdotes!
4
L2: Eu vos louvo, ó Deus, pelos ministros ordenados, que alimentam a vossa família com a Eucaristia, Pão Vivo, que dá vida ao mundo.
R: Sagrado Coração, ajudai os sacerdotes!
DIR: Como é bom nesta Solenidade do Sagrado Coração de Jesus, podermos agradecer-lhe o dom e presença dos nossos dedicados e incansáveis sacerdotes. Com eles, a cada invocação, rezemos:
Todos: Concedei-nos santos sacerdotes, Senhor Jesus!

7. LADAINHA PELOS SACERDOTES
Senhor, para zelar pela vossa honra,
Senhor, para aumentar nossa fé,
Senhor, para sustentar vossa Igreja,
Senhor, para pregar vossa doutrina,
Senhor, para defender vossa causa,
Senhor, para corrigir os erros,
Senhor, para mostrar o vosso amor,
Senhor, para não nos deixar nunca esquecer dos pobres e abandonados,
Senhor, para mostrar a vossa verdade,
Senhor, para nos encaminhar para a verdadeira Justiça,
Senhor, para sustentar a verdade,
Senhor, para dirigir nossa vida,
Senhor, para iluminar o mundo,
Senhor, para ensinar as riquezas do vosso Coração,
Senhor, para fazer-nos amar o Espírito Santo,
Senhor, para zelar pela honra e glória de vossa Mãe, a Santa Virgem Maria,
Senhor, para que todos os vossos ministros sejam o sal da terra e a luz do mundo.
8. BÊNÇÃO DO SS. SACRAMENTO

Tão sublime Sacramento, adoremos neste altar,
Pois o Antigo Testamento deu ao Novo seu lugar.
Venha a fé, por suplemento, os sentidos completar.
Ao eterno Pai cantemos e a Jesus, o Salvador.
Ao Espírito exaltemos na Trindade, Eterno Amor.
Ao Deus Uno e Trino demos a alegria do louvor.
Amém, Amém.
Bendito seja Deus.
Bendito seja o seu Santo Nome.
Bendito seja Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem.
Bendito seja o nome de Jesus.
Bendito seja seu Sacratíssimo Coração.
Bendito seja o seu Preciosíssimo Sangue.
Bendito seja Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento do Altar.
Bendito seja o Espírito Santo, o Paráclito.
Bendita seja a grande Mãe de Deus, Maria Santíssima.
Bendita seja a sua Santa e Imaculada Conceição.
5
Bendita seja sua gloriosa Assunção.
Bendito seja o Nome de Maria, Virgem e Mãe.
Bendito seja São José, seu castíssimo esposo.
Bendito seja Deus nos seus Anjos e nos seus Santos.
Deus e Senhor nosso, protegei a vossa Igreja, dai-lhe santos pastores e dignos ministros, derramai as vossas bênçãos sobre o nosso santo padre, o papa, sobre o nosso bispo (arcebispo), sobre o nosso pároco e todo o clero; sobre o chefe da Nação e do Estado e sobre todas as pessoas constituídas em dignidade, para que governem com justiça; dai ao povo brasileiro paz constante e prosperidade completa. Favorecei com os efeitos contínuos de vossa bondade o Brasil, este bispado (arcebispado), a paróquia em que habitamos, a cada um de nós em particular e a todas as pessoas por quem somos obrigados a orar, ou que se recomendaram às nossas orações. Tende misericórdia das almas dos fiéis que padecem no purgatório, dai-lhes, Senhor, o descanso e a luz eterna.
Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória ao Pai.
Canto final: Procuro abrigo
Procuro abrigo nos corações,
de porta em porta desejo entrar.
Se alguém me acolhe com gratidão,
faremos juntos a refeição!
1. Eu nasci pra caminhar assim,
dia e noite vou até o fim.
O meu rosto o forte sol queimou,
meu cabelo o orvalho já molhou:
eu cumpro a ordem do meu coração!
2. Vou batendo até alguém abrir.
Não descanso. O amor me faz seguir.
É feliz quem ouve a minha voz,
e abre a porta; entro bem veloz:
eu cumpro a ordem do meu coração!

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Solenidade de Corpus Christi

 Graças e louvores sejam dadas a todo momento, ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento...!
Toda vocação nasce do sonho de Deus para cada filho amado, toda vocação se descobre, nutre, cresce e frutifica aos pés do Filho amado! Que possam crescer no mundo os adoradores que o Pai procura.

Eu vos adoro devotamente, ó Divindade escondida,
Que verdadeiramente oculta-se sob estas aparências,
A Vós, meu coração submete-se todo por inteiro,
Porque, vos contemplando, tudo desfalece.
 
A vista, o tato, o gosto falham com relação a Vós
Mas, somente em vos ouvir em tudo creio.
Creio em tudo aquilo que disse o Filho de Deus,
Nada mais verdadeiro que esta Palavra de Verdade.

Na cruz, estava oculta somente a vossa Divindade,
Mas aqui, oculta-se também a vossa Humanidade.
Eu, contudo, crendo e professando ambas,
Peço aquilo que pediu o ladrão arrependido.

Não vejo, como Tomé, as vossas chagas
Entretanto, vos confesso meu Senhor e meu Deus
Faça que eu sempre creia mais em Vós,
Em vós esperar e vos amar.

Ó memorial da morte do Senhor,
Pão vivo que dá vida aos homens,
Faça que minha alma viva de Vós,
E que à ela seja sempre doce este saber.

Senhor Jesus, bondoso pelicano,
Lava-me, eu que sou imundo, em teu sangue
Pois que uma única gota faz salvar
Todo o mundo e apagar todo pecado.
 
Ó Jesus, que velado agora vejo
Peço que se realize aquilo que tanto desejo
Que eu veja claramente vossa face revelada
Que eu seja feliz contemplando a vossa glória. Amém

domingo, 15 de junho de 2014

Santíssima Tindade


Santíssima Trindade, neste dia em que nos colocamos a meditar os vossos insondáveis mistérios, vos pedimos pelas vocações sacerdotais, religiosas e missionárias, pela santificação do clero e de nossas famílias. Ao Pai que nos criou, ao Filho que nos salvou e ao Santo Espírito que nos santifica, todo o louvor, honra, glória e adoração por todos os séculos sem fim.


terça-feira, 3 de junho de 2014

II Encontro Vocacional 2014

“Coragem! Levanta-te, Ele te chama.”
Na alegria de novamente estamos juntos para meditar, buscar e celebrar a vocação, novamente nos reunimos para o II Encontro Vocacional Diocesano, com o tema “coragem! Levanta-te Ele te chama.” Três dias intensos de vida em comunidade, de partilha e interiorização.
Com o cego de Jericó, o 26 jovens participantes do encontro foram convidados a largar a capa do comodismo, da proteção, que tantas vezes impede no seguimento de Cristo; a não ouvirem a voz da multidão que grita para parar, para se calar; e correr ao encontro do Senhor para novamente ver, ver o Senhor, ver a vida nova que surge esplendorosa e bela, e assim nos valorizarmos como pessoas, tendo coragem de levantar, pois o Senhor nos chama.
Ainda à luz da passagem de Bartimeu, fomos convidados a reconhecer o solo que nos sustenta para nele apoiados poder saltar, lagar a capa e correr... Meditamos na família como chão da vida, e em Deus que nos modelou do pó da terra, com amor, com todo o seu amor! Reconhecendo e respondendo a este amor reunimo-nos em adoração, e celebramos a vida e a alegria do convívio em uma noite cultural.
Para finalizar o nosso encontro voltamos o nosso olhar para Cristo e o nosso relacionamento com Ele. Que alegria, bendizemos ao Senhor, por este encontro marcado por nossas partilhas em comunidades, por nossos encontros, por toda a alegria, o amor vivido e partilhado! Dai-nos, Senhor, a coragem de levantar e ouvir-te a nos chamar!